sábado, 9 de janeiro de 2016

Mostre sua arma e ganhe um desconto no churrasco em um restaurante do Texas

 

Restaurante oferece 10% desconto para clientes que portarem sua arma de forma visível

Desde o dia 1º, nova lei estadual que permite portar armas abertamente em locais públicos

Otros

Guardar

Enviar a notícia por email

O restaurante do Texas que dá descontos a quem portar uma arma à vista.  EL PAÍS

ANTONIETA CÁDIZ

Houston 8 JAN 2016 - 21:34 CET

No pequeno restaurante-trailer Brooks Place, em Cypress, nos arredores de Houston, é onde se vive o verdadeiro espírito do Texas (EUA). Carne assada e costeletas de porco são vendidas por quilo, os clientes comem ao ar livre sentados em longas mesas compartilhadas. E, aqui, as armas são bem-vindas e até ganham de um desconto de 10%.

“Se você vive sua vida como se Deus não existisse, é melhor que esteja fazendo a coisa certa”. Esse é o lema com o qual seu proprietário, Trent Brooks, recebe o público. Ele não tem uma arma à vista no restaurante, embora possua uma, mas quem compra sua comida ganha um prêmio por carregá-las publicamente.

A promoção começou dia 1º de janeiro, quando a nova lei estadual que permite portar armas abertamente em locais públicos entrou em vigor. Naquele dia, o desconto chegou a ser de 25%, para marcar o dia, considerado especial pelo comerciante. “O desconto é uma forma de mostrar o apreço que sentimos por clientes que carregam suas armas para se protegerem, suas famílias e as empresas que frequentam”, disse Brooks a EL PAÍS.

O impacto foi grande, mas nem sempre positivo. “Durante esses primeiros dias tivemos um bom número de clientes. A resposta ao desconto foi mista, algumas pessoas nos parabenizaram, mas outras – que notoriamente não são daqui –, nos disseram coisas controversas”, admitiu. Houve também ameaças que, por enquanto, o proprietário diz não ter levado muito a sério, como revelou na página de Facebook do seu restaurante.

Em Brooks Placeas lágrimas derramadas pelo presidente Barack Obamaesta semana ao anunciar medidas destinadas a restringir o acesso às armas não comoveram ninguém. Ao contrário, Brooks é um homem de extremos e no que diz respeito à Segunda Emenda da Constituição, que garante o direito de portar armas, não admite meios termos. “O Governo não tem motivo para interferir”, afirmou.

Mas no resto do Estado, as opiniões são mais equilibradas. Uma pesquisa realizada em 2013 pela Universidade do Texas e pela organizaçãoTexas Tribune revelou que 44% dos entrevistados acreditam que as leis de controle de armas devem ser mais estritas, enquanto que 36% preferem deixá-las na forma atual e 16% menos duras. No caso específico de leis para portar armas à vista em locais públicos, outra pesquisa realizada pela mesma equipe em fevereiro do ano passado mostrou que apenas 32% apoiavam esta medida.

A partir disso, desde 1º de janeiro, o Texas estreou a nova lei. Agora, qualquer pessoa com uma licença pode portar armas de maneira visível. Isso significa que as 826.000 pessoas com autorização podem circular tranquilas, com suas armas à vista na cintura. As empresas podem negar a entrada de pessoas armadas sempre que especifiquem a proibição. Brooks Place é uma exceção à tendência geral de empresas e restaurantes locais, que colocaram os cartazes necessários para não aceitar pessoas com armas visíveis. Assim fizeram grandes redes como Whole Foods, Fiesta, CostcoTarget, junto a restaurantes e lojas pequenas como Amy’s Ice CreamsBrooklyn Athletic Club, Dolce Vita, Gringo’s/Jimmy Changa’s e Lupe Tortillas, entre outros.

Em Brooks Place, as lágrimas derramadas por Obama ao falar sobre posse de armas  não comoveram ninguém

Supermercados como Kroger, Aldi e Walmartoptaram por permanecer em silêncio e não colocar cartazes.

A proibição não incomoda os defensores da lei. “Algo semelhante aconteceu em 1995, quando foi aprovada a lei para portar armas ocultas. As empresas reagiram de maneira exagerada por causa do medo e da desinformação. Logo começaram a desaparecer os cartazes. Acho que o mesmo vai acontecer aqui”, disse C.J. Grisham, presidente da Open Carry Texas, a organização mais influente no Texas que promove o direito de portar armas.

Entre as 10 maiores cidades dos Estados Unidos, só Filadélfia e Phoenix permitiam o porte de armas visíveis. Agora Houston, San Antonio e Dallas se uniram à lista. Em Dallas, a mudança foi o centro de uma intensa campanha para educar o público, que começou em 16 de dezembro. “Um trabalho em andamento”, como descreveram seus criadores.

Recomendado por

© EDICIONES EL PAÍS, S.L.Contato 

Nenhum comentário:
Write comentários